sexta-feira, 4 de julho de 2008

Tesouros não tão ocultos

Um homem desce de uma estação do metrô. Ele veste jeans, camiseta e boné e carrega uma caixa de violino. De repente, ele abre a caixa, remove o instrumento e começa a tocar com entusiasmo para a multidão que passa na hora do rush. Sua música é divina, mas ninguém se dá ao trabalho de parar para ouvi-lo. Estão todos apressados, às voltas com seus compromissos e preocupações cotidianas. Ninguém tem tempo para ouvir o músico. No entanto, poucos dias antes, as pessoas chegaram a pagar ingressos de até mil dólares para ver aquele artista em um concerto no Symphony Hall de Boston. Seu nome é Joshua Bell e ele é considerado um dos maiores violinistas do mundo. O violino que ele tocava no metrô era um raríssimo Stradivarius, avaliado em mais de três milhões de dólares. A iniciativa de levá-lo incógnito ao metrô foi do jornal The Washington Post, que pretendia lançar um debate sobre valor, contexto e arte. O resultado desse experimento provoca uma instigante reflexão. Será que estamos perdendo a capacidade de olhar, ouvir e apreciar? Fechados em nossos pequenos mundos, ignoramos os tesouros que estão à nossa volta. Esses tesouros podem ser um talento que negligenciamos, relacionamentos que esquecemos de cultivar, sonhos que abandonamos na gaveta da memória. Às vezes eles assomam nos momentos mais inesperados, como o violinista vertendo sua alma na saída do metrô. Mas nós estamos muito ocupados para ouvi-lo...

2 comentários:

Maria disse...

ONDE VC ENCONTRA TANTA INSPIRAÇÃO E INTELIGÊNCIA PARA PUBLICAR NO SEU BLOG TEXTOS TÃO IMPORTANTES?AS VEZES FICAMOS TÃO OCUPADOS(COM O TRABALHO) QUE ESQUECEMOS DE NOTAR TANTAS COISAS E PESSOAS QUE AMAMOS.

Sansara disse...

Muito bom os seus textos, a foto está ótima, mas eu prefiria a anterior.
Graça